Deficiência nas Escalas Médicas nas Urgências de Aracaju, um problema provocado pela PMA

Deficiência nas Escalas Médicas nas Urgências de Aracaju, um problema provocado pela PMA

As escalas médicas nas urgências municipais foi o tema tratado pelo presidente do Sindicato dos Médicos de Sergipe (Sindimed) João Augusto, no programa do Sindimed nesta terça-feira, 11. Audiência Pública aconteceu na quinta-feira, 6, e foi provocada pelo Ministério Público e pelo Sindimed.

Segundo João Augusto, a Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) está querendo dar destaque apenas para a deficiência na escala médica, da Unidade de Pronto Atendimento da Zona Sul, Fernando Franco; mas desde janeiro que a clínica cirúrgica está fechada para a população, está interditada pelo Conselho Regional de Medicina justamente porque as escalas não estavam completas.

Na ótica do Sindimed, essa é uma realidade que até dezembro de 2018 não existia. João Augusto explica que o problema veio a tona quando a Prefeitura quis justificar a terceirização no Nestor Piva em dezembro de 2018 e agora quer fazer de forma similar no Fernando Franco. "Quem sabe para justificar a terceirização também na Zona Sul".

Segundo o presidente do Sindimed, até dezembro funcionavam as duas Upas; e nas escalas não ficava nenhum dia SEM MÉDICO; poderia haver oscilação no número de profissionais, mas, sempre existia médico. O que é diferente de agora, que existem dias que NÃO TEM MÉDICO, e na ótica do Sindimed, a Prefeitura de Aracaju, não está se esforçando para contratar”, coloca João Augusto lembrando que a PMA colocou para fora mais de 100 médicos justificando uma ação irregular que foi a contratação através de RPA que a Prefeitura vem fazendo.

“RPA ainda é um método de contratação existente na Prefeitura de Aracaju na Atenção Básica e Atenção de Urgência que é imediato o atendimento para a população, ela (PMA) preferiu cortar de imediato, fazendo a terceirização no Nestor Piva, como aconteceu”.

Resultado da Audiência

Tanto o Sindimed como os outros sindicatos que estiveram presentes e também o MP cobroaram a legalização do vínculo. Em resultado, os representantes da PMA tiveram que acatar uma proposta, de que vai ser feito um Processo Seletivo oferecendo aos médicos a mesma remuneração que está sendo oferecida à PJ – que não foi aceita pela classe médica – até um concurso púbico a ser planejado. “A PMA parcialmente concordou, mas precisava do aval do prefeito Edvaldo Nogueira e dos secretários de Planejamento e Finanças, para dar uma resposta em 14 dias ao Ministério Público, a sociedade e a categoria médica; é isso que aguardamos”, finalizou o presidente do Sindimed.

 
 

© Copyright 2015 - Rua Celso Oliva, 481 - Bairro 13 de Julho - Aracaju - Sergipe - Fone: (79) 3211-7575 / (79) 99971-6742